Alunos da Creche em Janaúba retornam às aulas após 15 dias do ataque

Depois da tragédia com incendiário, o Governo Federal anunciou a liberação de R$ 8,7 milhões e, em seguida, a liberação de R$ 2 milhões para os hospitais de Janaúba.

Professoras da creche preparam o espaço para recepção de alunos e pais (Foto: Eliane Santos/Arquivo Pessoal) 

Os alunos da Creche Gente Inocente, incendiada pelo vigia Damião Soares dos Santos, retornaram às aulas na manhã desta quinta-feira (19), após 15 dias do ataque em Janaúba. 

De acordo com a pedagoga do turno matutino, Eliane Santos, 26 crianças, entre 2 e 5 anos, compareceram ao novo prédio, no Bairro Veredas; cinco crianças que presenciaram o ataque aos alunos participam das atividades. Na quarta (18), profissionais da educação, psicologia e segurança se reuniram com os pais e a promotoria da Vara da Infância.


Publicidade



“O retorno de hoje superou as nossas expectativas; foi um número expressivo diante do tamanho da tragédia. Ainda temos crianças feridas em casa e que não podem retornar, além das outras que seguem internadas. Mas nosso foco hoje foi oferecer uma recepção festiva, em um ambiente acolhedor, com programação totalmente lúdica: brincadeiras com animadores, contação de histórias, teatro e guloseimas. Estamos com duas psicólogas de plantão, em tempo integral”, disse.

As aulas começaram às 7h e seguem até às 17h. No dia do ataque, 75 crianças estavam na creche e participavam de atividades comemorativas à Semana da Criança; 11 pessoas morreram. Foram nove crianças, a professora Helley Abreu Batista, considerada heroína por salvar a vida de muitas crianças, e o vigia. Professores e voluntários prepararam o espaço para a recepção. O ambiente colorido e o engajamento dos profissionais ajudaram no recomeço.

“Quando os pais deixaram as crianças conosco, sentimos confiança. Os olhares de todos estão brilhando. Ver este novo começo nos ajuda a superar os momentos difíceis. Uma criancinha já se expressou: ‘nossa tia, eu gostei muito daqui’. Estou mais aliviada ao ver a alegria deles. Até agora, em quatro horas de aulas, os alunos não fizeram menção ao ataque e estão tranquilos. A maioria não presenciou e isso ajuda também”, detalhou.


Crianças foram recebidas em ambiente acolhedor, lúdico e de guloseimas (Foto: Eliane Santos/Arquivo Pessoal)


Doze pessoas seguem internadas devido ao ataque, em hospitais de Belo Horizonte e Montes Claros. Na capital mineira, quatro crianças e dois adultos permanecem no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII. Uma criança de dois anos, que estava no Hospital Odilon Behrens (HBO), recebeu alta também na terça-feira (17). Em Montes Claros, cinco pessoas seguem internadas na Santa Casa, sendo três crianças e dois adultos; e um paciente está no Hospital Universitário.

Maísa Barbosa dos Santos, tem 6 anos, e teve alta no dia 10, cinco dias após o ataque. Ela não foi à aula. “Eu sinto que a minha filha não está preparada, ela não está bem; ela inda fala que vê o tio jogando água nas crianças e chora. Ela não entende que era álcool. Neste restinho de ano, não vou levá-la”, disse a mãe, Joana D'arc Oliveira Santos.

Preparação

Professores e profissionais da educação passaram por uma preparação de retorno às aulas. Na segunda-feira (16), todos os profissionais da educação tiveram um dia de reflexão; um diácono da igreja falou sobre a questão espiritual e, na sequência, uma psicóloga participou da atividade. “Esta psicóloga nos orientou sobre o momento de luto, que temos de passar, sobre o medo e, acima de tudo, disse da importância de falarmos a verdade para as crianças”, disse.

Na terça-feira (17), a mesma psicóloga se reuniu somente com os profissionais da Creche Gente Inocente. “Foi um momento de escuta, de ouví-las, para avaliação no retorno. Neste mesmo dia, as professoras começaram os trabalhos de ornamentação e organização das voltas, que durou até a quarta-feira”, completou.

Na quarta, por volta das17h, os pais foram conhecer as novas instalações. A promotora da infância e juventude participou da reunião. “O MP está acompanhando todo o caso, inclusive a pedagógica. Haverá uma reunião entre a promotoria e as famílias”, concluiu.

Pais foram recebidos na escola, na quarta-feira (18), para apresentar o local e a proposta de trabalho (Foto: Lilian Claudine/Arquivo Pessoal)


Depois da tragédia, o Governo Federal anunciou a liberação de R$ 8,7 milhões e, em seguida, a liberação de R$ 2 milhões para os hospitais de Janaúba. As unidades municipais passam por vistoria pelo Corpo de Bombeiros; o tenente Farley Michael Antunes Silveira informou ao G1 que a última unidade, que fica na zona rural, será concluída na tarde desta quinta. Em seguida, será realizado relatório com o laudo final.



Fonte: G1



Publicidade